Foi no Verão que foi levantada, em quase todo o país, a suspensão das atividades semanais dos agrupamentos. Foram muitos os que quiseram retomar as atividades de imediato, com as devidas restrições. Um desses agrupamentos foi o 1041 Caranguejeira

Após esta suspensão ser levantada todas as secções realizaram um Conselho de Guias para perceber o que ainda se poderia fazer, a nível presencial naquele ano escutista. Houve também uma reunião de chefes para partilhar as decisões tomadas em cada Conselho de Guias para se poder delinear o retomar das atividades semanais, seguida de um Conselho de Pais, via Zoom, para que estes fossem devidamente informados e esclarecidos.

Cada secção deste agrupamento fez o seu plano para este final de ano escutista, de modo a poder voltar a ter pequenas atividades presenciais, em pequenos grupos e privilegiando o ar livre, sempre que possível. A máscara e a desinfecção das mãos passaram a ser uma constante, pois, evidentemente, estamos a seguir todas as normas recomendadas pela Direcção Geral de Saúde, bem como as indicações dadas pela Junta Central.

Os Lobitos juntaram-se em dois sábados para viverem experiências ao ar livre, adaptadas à nova realidade, mas sempre com o habitual entusiasmo, alegria e muita vontade de voltar, com todas as condições de segurança.

Os Exploradores viveram o imaginário que já estavam a preparar antes do confinamento, numa atividade por Patrulhas, em que tiveram de evitar uma tempestade tóxica prevista no tempo da Rainha Santa Isabel.

Os Pioneiros trabalharam por equipa em duas frentes: personalizar o Abrigo e cada equipa preparar um “Escape Room Outside” para uma das outras equipas, actividade que foi vivida na Caranguejeira e arredores, em jeito de encerramento de ano escutista.

Os Caminheiros também trabalharam para encerrar o seu ano escutista com uma atividade na qual puderam acampar, sem tendas, apenas com abrigos individuais e os seus próprios fogões a lenha que prepararam com determinação nos sábados que antecederam a atividade.

Apesar de a realidade ser bastante diferente daquilo a que estavam habituados, todos os elementos do Agrupamento mostraram-se motivados, considerando que o importante é continuar a fazer Escutismo, sendo que o principal objetivo é continuar a ajudar os nossos Lobitos e Escuteiros a crescer, vivendo o espírito escutista da melhor forma possível, protegendo a saúde de todos.

Texto de: Irene Jorge. Fotografia de: Agrupamento 1041 Caranguejeira.

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Acampamento clã - agrupamento 479 Alfena

Agr 479 e a fórmula de viver o Escutismo.

Estes últimos meses ficaram marcados pelo regresso aos hábitos escutistas. Novos tempos exigem novas dinâmicas e comportamentos. Assim fez o Agrupamento 479 Alfena para conseguir regressar às atividades presenciais

Agrupamento 551 Cepões.

A sensação de renascimento do Agr. 551

Após um período de confinamento, é sempre difícil retomar o ritmo e as rotinas de antes. Não só porque, sem querer, a falta de atividades nos afastou, mas também porque o vírus ainda não desapareceu e o risco continua a ser enorme.