No passado dia 17 de fevereiro, o Agrupamento 568, de São Miguel de Arcos, núcleo Cego do Maio, Região de Braga assinalou o seu 40º Aniversário, sob o lema “40 anos a marcar a diferença”.

O dia de festa começou bem cedo com a receção aos agrupamentos e entidades convidadas. Tendo a honra de participação do Chefe Nacional, Ivo Faria, que aproveitou para renovar a sua promessa de escuteiro, aquando da promessa de cada uma das secções.

A igreja de Arcos, tornou-se pequena para acolher a família escutista e a comunidade local. A terminar a Eucaristia houve tempo para uma singela homenagem aos quatros elementos que permanecem no agrupamento desde a sua fundação.

A festa continuou no salão paroquial com a partilha do bolo de aniversário, os discursos e a entrega das lembranças comemorativas.
Para os 77 elementos deste agrupamento foi um grande dia, mas a festa não terminou aqui pois as comemorações irão estender ao longo de todo o ano escutista.

De mãos dadas com a comunidade é desejo do agrupamento continuar a “marcar a diferença”, “procurando deixar o mundo um pouco melhor do que encontramos”.

Texto e fotografia de: Agrupamento 568, São Miguel de Arcos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Caminheiros em preparação de atividade

Agr 1041 continua a viver o Escutismo

Foi no Verão que foi levantada, em quase todo o país, a suspensão das atividades semanais dos agrupamentos. Foram muitos os que quiseram retomar as atividades de imediato, com as devidas restrições. Um desses agrupamentos foi o 1041 Caranguejeira

Acampamento clã - agrupamento 479 Alfena

Agr 479 e a fórmula de viver o Escutismo.

Estes últimos meses ficaram marcados pelo regresso aos hábitos escutistas. Novos tempos exigem novas dinâmicas e comportamentos. Assim fez o Agrupamento 479 Alfena para conseguir regressar às atividades presenciais

Agrupamento 551 Cepões.

A sensação de renascimento do Agr. 551

Após um período de confinamento, é sempre difícil retomar o ritmo e as rotinas de antes. Não só porque, sem querer, a falta de atividades nos afastou, mas também porque o vírus ainda não desapareceu e o risco continua a ser enorme.