O primeiro Raide dos Presépios, realizado no Agrupamento 694, Margaride, Felgueiras, região do Porto aconteceu no passado dia 27 de dezembro. A Expedição 75 seguiu a Estrela que guiou os Magos.

O Raide possibilitou conhecer e explorar alguns presépios expostos nas rotundas e outros espaços públicos de Felgueiras. Serviu para recolher informações acerca de várias instituições felgueirenses e observar vários trabalhos elaborados pelas mesmas. Constatamos que a mensagem era comum a todos. Feitos de diferentes materiais (recicláveis) e formas, maioritariamente feitos à mão. Todos os trabalhos foram feitos com muito empenho e dedicação.

Tendo em conta os inúmeros presépios a concurso, a Expedição optou por fazer apenas uma parte da cidade (desde a Câmara Municipal de Felgueiras até Varziela).

Prometemos, para o ano, dar continuidade ao Raide dos Presépios em direção a outra localidade felgueirense.

Foi uma oportunidade educativa muito gratificante.

Texto de: Leonor Leite Ribeiro. Fotografia de: Agrupamento 694 .

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Caminheiros em preparação de atividade

Agr 1041 continua a viver o Escutismo

Foi no Verão que foi levantada, em quase todo o país, a suspensão das atividades semanais dos agrupamentos. Foram muitos os que quiseram retomar as atividades de imediato, com as devidas restrições. Um desses agrupamentos foi o 1041 Caranguejeira

Acampamento clã - agrupamento 479 Alfena

Agr 479 e a fórmula de viver o Escutismo.

Estes últimos meses ficaram marcados pelo regresso aos hábitos escutistas. Novos tempos exigem novas dinâmicas e comportamentos. Assim fez o Agrupamento 479 Alfena para conseguir regressar às atividades presenciais

Agrupamento 551 Cepões.

A sensação de renascimento do Agr. 551

Após um período de confinamento, é sempre difícil retomar o ritmo e as rotinas de antes. Não só porque, sem querer, a falta de atividades nos afastou, mas também porque o vírus ainda não desapareceu e o risco continua a ser enorme.